Bio Menu

Busca

Sobre o blog

Alimentar-se representa muito mais que apenas ingerir carboidratos, lipídios, proteinas, vitaminas e minerais. Significa relação social, afinal as pessoas comemoram, prazer, indulgencia etc. Neste Blog temos por objetivo discutir todas as faces dos nutrientes e como podemos estabelecer uma ingestão alimentar saudável sem abrir mão do prazer. Com isso pretendemos propor a você pequenas mudanças que farão diferenças importantes na sua vida, venha conosco.

Categorias

Histórico

05/03/2012

Calor, futebol e a “cervejinha”

O calor está aí e muitos organizam as peladas de final de dia e em seguida a cervejinha com os amigos para jogar conversa fora. Sem dúvida este comportamento tem um papel lúdico e social muito importante. Porém o consumo de cerveja logo após uma atividade física não é recomendado. Os fatores que não recomendam este comportamento estão relacionados à reposição hídrica fundamental após uma atividade física.

A celebração com os amigos tomando uma cerveja após o certame faz com que nosso organismo seja obrigado a perder mais água do que já havia feito durante o jogo. Isto porque o álcool contido na cerveja estimula a atividade renal a eliminar água através do aumento de hormônios que controlam o funcionamento destes órgãos.

Quando então você joga futebol, 70% da energia gasta no jogo resulta em produção de calor. Somente 30% representa a energia gasta com a contração muscular. Para manter a temperatura constante nosso organismo perde água pela sudorese. Ao final da partida então o corpo apresenta menor quantidade de água que no início do futebol. Se então você adicionar qualquer bebida alcoólica (a cerveja inclusive) irá perde mais água ainda. O resultado desta história pode ser um mal estar transitório até uma complicação mais grave por alteração da funcionalidade do sistema cardiovascular.

Por isso lembre-se, a atividade física próxima do consumo de bebida alcoólica não é recomendada e ao contrário do que algumas pessoas acreditam o suor não ajudará a eliminar o álcool pelo contrário pode aumentar sua toxicidade.

Para hidratar após o esforço o melhor então é água. 

Referência:

PEREIRA-LANCHA, L.O. ; MARQUEZI, M. L. ; LANCHA JR, Antonio Herbert . Reposição Hidrica. In: Lancha jr, AH; Pereira-Lancha, LO. (Org.). Nutrição e Metabolismo Aplicados à atividade Motora. 2 ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2012, v. , p. 131-154.

Por Luciana O. P. Lancha às 10h11

04/03/2012

Papel dos pais para uma alimentação saudável dos filhos

Com a volta às aulas vale relembrar a importância do papel dos pais para fazer com que os filhos tenham uma alimentação mais saudável dentro e fora de casa. Os pais são modelos, o comportamento deles é observado e muitas vezes copiado pela criança, por isso ficam algumas dicas:

1.                         comporte-se na frente do seu filho como você espera que ele se comporte, isso vale para a alimentação e para todas as demais situações de aprendizagem. Se você não valoriza uma alimentação saudável, não come frutas e verduras e vive pulando as refeições, não está sendo um modelo eficiente. Não basta educar através da fala, as crianças aprendem mais através do seu comportamento. Sente-se com seu filho para o café da manhã, almoço ou jantar, seja companhia para apreciar o sabor das opções saudáveis, diversifique o menu e principalmente coma aquilo que você acha que ela deve comer.

 

2.                         Crianças adoram desafios novos, incentive seu filho a apreciar sabores novos, estabeleçam o desafio de preparar uma receita juntos, peça ajuda aos pequenos na hora do supermercado e na escolha das frutas e legumes na feira, assim eles vão aprendendo desde cedo a participar da rotina de alimentação da casa, se divertindo e aprendendo sobre uma alimentação saudável.

 

3.                         Ensine que para cada comportamento do seu filho existe uma consequência positiva ou negativa. Se ele se alimentar de maneira equilibrada vai aumentar a chance de crescer forte, sem se adoeçer e vai poder brincar bastante, se faltar nutriente na alimentação ele poderá perder energia e ânimo para fazer tudo o que gosta.

 

4.                         Insista para que ele experimente alimentos novos, incentive para que ele entre em contato com o desconhecido. Se você mantém seu filho apenas naquilo que é familiar, também está ensinando que o novo é “perigoso”, aumentando a chance dele resistir à novidade, isso vale para alimentação e para vida, mostre que você é parceiro e está com ele pra enfrentar as experiências novas.

 

 

 

5.                         Longe dos olhares dos pais as crianças se sentem com mais liberdade para consumir chocolates, refrigerantes, balas e frituras,  proibir o consumo destes alimentos não é a melhor saída, mas postergar o contato e a oferta destes alimentos aumenta a chance do seu filho aprender a gostar da comida saudável, após esta aprendizagem as guloseimas podem entrar na rotina como uma exceção.

 

6.                         Começe a se preocupar com esta educação alimentar desde cedo porque a mudança de hábitos inadequados  instalados exige mais trabalho dos pais. Se a criança não "gosta" de alimentos saudáveis, os pais podem começar premiando quando a criança se alimenta de maneira saudável, isso se chama aprendizagem por reforçamento positivo, até a criança começar a pedir o alimento e sentir vontade de comê-lo, quando o valor do alimento deixar de estar associado ao prêmio, este deve ser retirado gradualmente.

 

 

7.                         Seja coerente, não adianta pregar uma alimentação saudável, uma educação cordial e uma postura diante da vida que você não põe em prática.

 

Carla Di Pierro – Psicóloga CRP 65399

Por Carla di Piero às 18h27

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre os autores

Ana Carolina Garcia

Graduação em Nutrição - USP, especialista em Nutrição Aplicada ao Exercício Físico pela Escola de EEFE - USP e especialista em Nutrição Humana Aplicada e Terapia Nutricional pelo IMeN. Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Antonio Herbert Lancha Jr.

Graduação em Educação Física – USP Especialização em Fisiologia do Exercício – UNESP Mestrado e Doutorado em Nutrição Experimental – USP Pós- Doutorado em Medicina Interna – Washington University Professor Titular de Nutrição Aplicada à Atividade Física – USP Coordenador do Grupo de Nutrição do Vita Diretor da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Camila Freitas

Graduação em Nutrição - USP

Pós-Graduação em Gastronomia

Responsável pela área de nutrição das academias Reebok (SP)

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Carla di Pierro

Graduação em Psicologia - PUC SP

Especialização em Psicologia do Esporte - Instituto Sedes Sapientiae

Especialização em Clínica Analítico Comportamental - Núcleo Paradigma

Aprimoramento em Terapia Comportamental Cognitiva - Amban HCFMUSP

Psicóloga da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Desire F. Coelho

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Esporte - USP

Mestrado em Educação Física - USP

Doutoranda pelo Instituto de Ciências Biomédicas - USP

Aprimorando em Transtorno Alimentar pelo AMBULIM HC-FMUSP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luciana O. P. Lancha

Graduação em Nutrição e Esporte – USP Mestrado em Bioquímica – UNICAMP Doutorado em Ciências Biomédicas - USP Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luiz Augusto Riani Costa

Graduação em Medicina – UNICAMP

Pós-graduação em Medicina Esportiva e Fisiologia do Exercício – USP

Doutorando em Fisiopatologia – EEFE/HCFMUSP

Diretor Clínico do setor de Cardiologia dos Laboratórios

Diagnósticos da América (DASA)

Fisiologista do Vita

Médico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Marco D. Leme

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Eng. de Alimentos - Instituto Mauá de Tecnologia

Nutricionista do Grupo de DOR - IOT HCFMUSP e da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Patrícia Campos-Ferraz

Graduação em Nutrição – USP

Mestrado em Ciências dos Alimentos – USP

Doutorado em Biologia Funcional e Molecular pela UNICAMP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Renata C. Sardinha

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo. Nutricionista do Bio Menu Congelados Saudáveis


Rodrigo Ferraz

Graduação em Educação Física - USP

Especialização em Treinamento Desportivo - UNIFESP/EPM

Especialista em Prevenção de Lesão e Treinamento em Pacientes Oncológicos

Preparador Físico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida