Bio Menu

Busca

Sobre o blog

Alimentar-se representa muito mais que apenas ingerir carboidratos, lipídios, proteinas, vitaminas e minerais. Significa relação social, afinal as pessoas comemoram, prazer, indulgencia etc. Neste Blog temos por objetivo discutir todas as faces dos nutrientes e como podemos estabelecer uma ingestão alimentar saudável sem abrir mão do prazer. Com isso pretendemos propor a você pequenas mudanças que farão diferenças importantes na sua vida, venha conosco.

Categorias

Histórico

06/04/2011

Os riscos do jejum

Um comportamento alimentar muito comum é a prática do jejum.  Utilizada com diversos propósitos e estimulada por alguns curiosos da composição corporal, o jejum não apenas representa um perigo para a saúde como também pode aumentar os riscos de desenvolvimento de algumas doenças como o diabetes.

Recentemente ouvi de uma pessoa que, ao se sentir mais gorda, realizava longos períodos de jejum, pois acreditava que com isso iria reduzir a adiposidade corporal. Esta prática é baseada em um princípio que ao realizar o jejum nosso corpo estimula a quebra (hidrólise) da gordura depositada no organismo. Como conseqüência, teríamos mais gordura a ser queimada (oxidada) pela musculatura.

Esta idéia é a mesma que você realizar um churrasco em sua casa com aquelas churrasqueiras domésticas do tamanho de uma panela. Vamos supor que a carne a ser preparada é a gordura que queremos queimar. A churrasqueira é o músculo que queima a gordura. Se você quiser realizar o churrasco para várias pessoas você compra um caminhão de carvão ou uma churrasqueira maior? Se a opção for pelo carvão, teremos limitado a capacidade de produção de churrasco por tempo. Já o aumento da churrasqueira seria a opção correta. Quer dizer aumentar a capacidade muscular para queimar gordura. Esta capacidade é aumentada com o treinamento aeróbio regular.

Ao realizarmos longos períodos de jejum disponibilizamos mais gordura para queima, porém temos limitado a capacidade de queima da mesma. Quando então realizamos exercícios em jejum a coisa pode piorar muito. Para garantir a queima da gordura em jejum nosso organismo irá comprometer a massa magra, ou melhor, perderemos massa muscular. Assim nosso amigo que fez jejum não irá emagrecer e se insistir em fazer atividade física neste estado perderá massa muscular, além de correr o risco de ter uma hipoglicemia.

Longos períodos de jejum já foram associados também a maior capacidade do organismo armazenar as calorias ingeridas após este período sem a ingestão de alimentos. Evitar o jejum é um ponto básico. De forma alguma ele pode ser entendido como algo positivo na redução da adiposidade.

Por Antonio Herbert Lancha Jr. às 22h08

04/04/2011

Existe Relação entre Alimentação e a Formação de Novos Neurônios?

Dando continuidade à conversa da nossa colega Patricia Oliveira (semana de 21/02/2011), até pouco mais de 10 anos atrás achava-se que que os neurônios mortos jamais seriam recuperados na fase adulta. A justificativa parecia convincente: se novos neurônios surgissem e alterassem a arquitetura do circuito cerebral, como poderíamos conservar memórias e manter nossa identidade?

Esse dogma caiu nos últimos anos, quando um grupo de pesquisadores liderados por Elizabeth Gould usou técnicas mais recentes e mostrou que o nascimento de novas células nervosas era sim possível em primatas adultos (GOULD et al, 1998 GOULD et al, 1999), e que os novos neurônios eram encontrados em locais supostamente responsáveis por funções complexas, como memória, tomada de decisões e reconhecimento de formas.

A partir daí já se sabe que uma variedade de fatores, incluindo idade, estresse, atividade física, medicamentos antidepressivos, lesão cerebral, acidente vascular cerebral, convulsões,  consumo energético e qualidade da alimentação, mostraram ter grande influência na proliferação, sobrevivência e diferenciação de neurônios  de células-tronco adultas.

Um estudo publicado em março desse ano mostrou que o micronutriente Zinco é também responsável pelo controle e desenvolvimento da neurogênese (formação de novos neurônios). O Zinco é um micronutriente essencial requerido em mais de 300 processos celulares diferentes, incluindo a síntese de DNA e protéica, atividades enzimáticas e sinalização intracelular. O estudo apontou que a deficiência de zinco não somente prejudica o desenvolvimento da neurogênese através da redução da proliferação de precursores neuronais como também pode prejudicar a diferenciação neuronal no período que vai desde a formação do cérebro de um bebê (na gestação) até a idade adulta.

Com esses dados é muito importante que em todas as etapas de nossas vidas possamos garantir um adequado aporte de micronutrientes na nossa dieta, além de estarmos sempre exercitando o nosso cérebro (vide publicação do dia 21/02). Um profissional habilitado pode fazer uma primeira avaliação e orientar quanto às melhores fontes de micronutrientes e um adequado plano alimentar.

Para ajudar, são fontes de zinco: ostras, carne bovina, caranguejo, lambari, costela de porco, leite e derivados, fermento biológico, amendoim, semente de abóbora, grão de bico, cereal matinal, feijões.

 

 

Referências bibliográficas

 

Adv Nutr March 2011 2 2): 96-100; doi:10.3945/an.110.000174

 

Adv Nutr March 2011 2 2): 101-111; doi:10.3945/an.110.000232

 

TANAPAT P, HASTINGS NB, RYDEL TA, GALEA LA, GOULD E. Exposure to fox odor inhibits cell proliferation in the hippocampus of adult rats via an adrenal hormone-dependent mechanism. J Comp Neurol 2001 Sep 3;437(4):496-504.

 

GOULD E, REEVES AJ, GRAZIANO MS, GROSS CG. Neurogenesis in the neocortex of adult primates. Science 1999 Oct 15;286(5439):548-52.

 

KEMPERMANN G, KUHN HG, GAGE FH. More hippocampal neurons in adult mice living in an enriched environment. Nature 1997 Apr 3;386(6624):493-5. 

 

Por Mariana M. Fontana às 20h31

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre os autores

Ana Carolina Garcia

Graduação em Nutrição - USP, especialista em Nutrição Aplicada ao Exercício Físico pela Escola de EEFE - USP e especialista em Nutrição Humana Aplicada e Terapia Nutricional pelo IMeN. Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Antonio Herbert Lancha Jr.

Graduação em Educação Física – USP Especialização em Fisiologia do Exercício – UNESP Mestrado e Doutorado em Nutrição Experimental – USP Pós- Doutorado em Medicina Interna – Washington University Professor Titular de Nutrição Aplicada à Atividade Física – USP Coordenador do Grupo de Nutrição do Vita Diretor da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Camila Freitas

Graduação em Nutrição - USP

Pós-Graduação em Gastronomia

Responsável pela área de nutrição das academias Reebok (SP)

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Carla di Pierro

Graduação em Psicologia - PUC SP

Especialização em Psicologia do Esporte - Instituto Sedes Sapientiae

Especialização em Clínica Analítico Comportamental - Núcleo Paradigma

Aprimoramento em Terapia Comportamental Cognitiva - Amban HCFMUSP

Psicóloga da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Desire F. Coelho

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Esporte - USP

Mestrado em Educação Física - USP

Doutoranda pelo Instituto de Ciências Biomédicas - USP

Aprimorando em Transtorno Alimentar pelo AMBULIM HC-FMUSP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luciana O. P. Lancha

Graduação em Nutrição e Esporte – USP Mestrado em Bioquímica – UNICAMP Doutorado em Ciências Biomédicas - USP Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luiz Augusto Riani Costa

Graduação em Medicina – UNICAMP

Pós-graduação em Medicina Esportiva e Fisiologia do Exercício – USP

Doutorando em Fisiopatologia – EEFE/HCFMUSP

Diretor Clínico do setor de Cardiologia dos Laboratórios

Diagnósticos da América (DASA)

Fisiologista do Vita

Médico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Marco D. Leme

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Eng. de Alimentos - Instituto Mauá de Tecnologia

Nutricionista do Grupo de DOR - IOT HCFMUSP e da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Patrícia Campos-Ferraz

Graduação em Nutrição – USP

Mestrado em Ciências dos Alimentos – USP

Doutorado em Biologia Funcional e Molecular pela UNICAMP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Renata C. Sardinha

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo. Nutricionista do Bio Menu Congelados Saudáveis


Rodrigo Ferraz

Graduação em Educação Física - USP

Especialização em Treinamento Desportivo - UNIFESP/EPM

Especialista em Prevenção de Lesão e Treinamento em Pacientes Oncológicos

Preparador Físico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida