Bio Menu

Busca

Sobre o blog

Alimentar-se representa muito mais que apenas ingerir carboidratos, lipídios, proteinas, vitaminas e minerais. Significa relação social, afinal as pessoas comemoram, prazer, indulgencia etc. Neste Blog temos por objetivo discutir todas as faces dos nutrientes e como podemos estabelecer uma ingestão alimentar saudável sem abrir mão do prazer. Com isso pretendemos propor a você pequenas mudanças que farão diferenças importantes na sua vida, venha conosco.

Categorias

Histórico

27/01/2011

Açaí engorda?

 Pela definição do site Wikipédia, açaí é o fruto bacáceo roxo que dá em cacho na palmeira conhecida como açaizeiro, cujo nome científico é Euterpe oleracea. É uma espécie nativa das várzeas da região amazônica.

O creme de açaí e seu suco, vem sendo consumidos nos últimos anos por atletas e praticantes de atividade física e, muito apreciados fora do Brasil. Por ter grande quantidade de gordura ele é tido como energizante, vale ressaltar que a maior parte da gordura é polinsaturada.

A dúvida da maioria dos consumidores é se o consumo frequente de açaí engorda, pois quem gosta de um açaí batido com banana e granola sabe que “vícia”.

Através de pesquisa realizada em diversos sites, não existe um consenso sobre o valor nutricional da fruta, pois a variação é imensa, em alguns casos a gordura varia em até 50%. Em 100g da fruta a maioria das fontes apresenta um teor de 17% de gordura.

Porém, o creme de açaí não é a fruta pura, pois apresenta água em sua formulação entre outros ingredientes. Sendo assim a maioria dos fabricantes disponibiliza na informação nutricional de seus produtos que 100g do creme teria 3,7g de gordura total e 1g de saturada, que seria ígual ao valor encontrado pelos pesquisadores da UNICAMP e publicado na tabela TACO de 2006.

Quem gosta de consumir, o faz em tigela de 400mL, levando a um consumo de 14,8g ou 27% do consumo diário recomendado de gordura e 440 kcal. Isso sem contar com a banana e a granola!

Portanto para praticantes de atividade física ou atletas que possuem necessidade energética aumentada e certamente precisam de mais que 55g de gordura/dia, o creme de açaí pode contribuir para que atingam essa necessidade. Já pessoas com as necessidades energéticas normais (por volta de 2000kcal/dia), precisam verificar como está a ingestão diária, para que o ganho de peso não seja um fator agravante na qualidade de vida.

Até a próxima!

Marco Leme

Por Luciana O. P. Lancha às 09h15

24/01/2011

Cuidado com o Tamanho das Porções!

É muito importante que ao nos alimentarmos sempre tenhamos algumas coisas em mente como: não comer à frente da TV ou computador, mastigar bem os alimentos, etc. No entanto uma coisa que muita gente ainda não se atenta é o tamanho dos utensílios que devem ser utilizados. Afinal de contas quem não ama uma mesa bem posta com lindos pratos, copos e tigelas grandes. No entanto, esse é um erro clássico cometido por muitos, principalmente quem quer emagrecer.

Nessa área existem 2 estudos muito interessantes e inusitados realizados pelo pesquisador especializado em comportamento alimentar, Brian Wansink.

No 1º estudo de ele avaliou pessoas que vão frequentemente aos cinemas. Ele dividiu os sujeitos em 4 grupos que receberam pipoca de diferentes modos: de acordo com o tamanho da porção, podendo ser média (120g) ou grande (240g) e a outra variável é que nessas porções podiam conter pipoca fresca (estourada na hora) ou velha (estourada há 14 dias!). Após o filme foram analisadas a quantidade de pipoca ingerida e feitas perguntas sobre o sabor da pipoca. Ao final do estudo foi relatado que os sujeitos que receberam os pacotes grandes (com 240g) consumiram, em média, 45.3% mais pipoca. Mesmo quem recebeu a pipoca velha, de 14 dias, comeu 33.6% a mais que as que receberam a porção média! Os autores concluíram que mesmo quando o alimento não era palatável, saboroso, a utilização de grandes porções pode levar a um consumo excessivo.

No 2º estudo o pesquisador utilizou potes de sopa para o estudo do comportamento alimentar. Os 54 sujeitos foram divididos em 2 grupos que consumiam a sopa sentados numa mesa. Um grupo recebia cumbucas normais de sopa e outro grupo recebia cumbucas que se "auto-enchiam" (tinha um tipo de fundo falso com um cano que, conforme a pessoa ia tomando a sopa o cano colocava mais sopa no pote sema pessoa perceber). Os sujeitos do grupo que receberam os potes que se “auto-enchiam” consumiram 73% a mais sopa do que o grupo que recebeu a sopa na cumbuca normal. Além disso, apesar desse consumo absolutamente superior ao outro grupo, os sujeitos do grupo da cumbuca que se “auto-enchia” não perceberam que comeram mais e nem se sentiam mais satisfeitos do que outro grupo.

Ou seja, na hora da alimentação, fique atento ao tamanho dos utensílios que utilizará e reserve o momento da alimentação para fazer uma das melhores coisas: Simplesmente saborear a refeição!

Bom Apetite e até a próxima!

Mais Informações: Brian Wansink, James E. Painter, and Jill North. Bottomless Bowls: Why Visual Cues of Portion Size May Influence Intake. OBESITY RESEARCH Vol. 13 No. 1 January 2005.

Por Desire F. Coelho às 22h38

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre os autores

Ana Carolina Garcia

Graduação em Nutrição - USP, especialista em Nutrição Aplicada ao Exercício Físico pela Escola de EEFE - USP e especialista em Nutrição Humana Aplicada e Terapia Nutricional pelo IMeN. Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Antonio Herbert Lancha Jr.

Graduação em Educação Física – USP Especialização em Fisiologia do Exercício – UNESP Mestrado e Doutorado em Nutrição Experimental – USP Pós- Doutorado em Medicina Interna – Washington University Professor Titular de Nutrição Aplicada à Atividade Física – USP Coordenador do Grupo de Nutrição do Vita Diretor da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Camila Freitas

Graduação em Nutrição - USP

Pós-Graduação em Gastronomia

Responsável pela área de nutrição das academias Reebok (SP)

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Carla di Pierro

Graduação em Psicologia - PUC SP

Especialização em Psicologia do Esporte - Instituto Sedes Sapientiae

Especialização em Clínica Analítico Comportamental - Núcleo Paradigma

Aprimoramento em Terapia Comportamental Cognitiva - Amban HCFMUSP

Psicóloga da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Desire F. Coelho

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Esporte - USP

Mestrado em Educação Física - USP

Doutoranda pelo Instituto de Ciências Biomédicas - USP

Aprimorando em Transtorno Alimentar pelo AMBULIM HC-FMUSP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luciana O. P. Lancha

Graduação em Nutrição e Esporte – USP Mestrado em Bioquímica – UNICAMP Doutorado em Ciências Biomédicas - USP Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luiz Augusto Riani Costa

Graduação em Medicina – UNICAMP

Pós-graduação em Medicina Esportiva e Fisiologia do Exercício – USP

Doutorando em Fisiopatologia – EEFE/HCFMUSP

Diretor Clínico do setor de Cardiologia dos Laboratórios

Diagnósticos da América (DASA)

Fisiologista do Vita

Médico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Marco D. Leme

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Eng. de Alimentos - Instituto Mauá de Tecnologia

Nutricionista do Grupo de DOR - IOT HCFMUSP e da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Patrícia Campos-Ferraz

Graduação em Nutrição – USP

Mestrado em Ciências dos Alimentos – USP

Doutorado em Biologia Funcional e Molecular pela UNICAMP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Renata C. Sardinha

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo. Nutricionista do Bio Menu Congelados Saudáveis


Rodrigo Ferraz

Graduação em Educação Física - USP

Especialização em Treinamento Desportivo - UNIFESP/EPM

Especialista em Prevenção de Lesão e Treinamento em Pacientes Oncológicos

Preparador Físico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida