Bio Menu

Busca

Sobre o blog

Alimentar-se representa muito mais que apenas ingerir carboidratos, lipídios, proteinas, vitaminas e minerais. Significa relação social, afinal as pessoas comemoram, prazer, indulgencia etc. Neste Blog temos por objetivo discutir todas as faces dos nutrientes e como podemos estabelecer uma ingestão alimentar saudável sem abrir mão do prazer. Com isso pretendemos propor a você pequenas mudanças que farão diferenças importantes na sua vida, venha conosco.

Categorias

Histórico

01/04/2010

Tratamento dos transtornos alimentares na adolescência

A Anorexia Nervosa e a Bulimia Nervosa são transtornos do comportamento alimentar que se desenvolvem principalmente em meninas adolescentes e mulheres jovens. A angústia vivida pelas jovens adolescentes com as mudanças corporais, os processos de crescimento e individualização, as demandas de autonomia e independência familiar acabam por deflagrar um processo patológico que pode levar à anorexia ou bulimia nervosa.

A prevalência dos transtornos alimentares é de 0,5 a 3,7% das mulheres, na Anorexia Nervosa, e 1,1 a 4,2% das mulheres, na Bulimia Nervosa, sendo que a Bulimia é 4 vezes mais freqüente que a Anorexia. Os Transtornos alimentares afetam 10 vezes mais mulheres do que homens. Estima-se que a sua prevalência seja ainda maior, já que muitas vezes a procura por uma ajuda é feita tardiamente (quando é feita) e o diagnóstico por vezes é confundido ou subestimado.

Por conta do seu caráter etiológico multifatorial (são considerados aspectos culturais, familiares, sociais, biológicos e psicológicos) os transtornos alimentares são patologias psiquiátricas graves que demandam um tratamento criterioso e complexo.

Assim, a proposta de tratamento, por considerar a complexidade etiológica, deve ser multidisciplinar, envolvendo profissionais da área médica, psicológica e nutricional. O tratamento multidisciplinar está consagrado pela literatura internacional pautada no trabalho de equipes especializadas em diferentes partes do mundo (como Maudsley Hospital, Londres; Royal Victoria Hospital, Quebec ou Hospital das Clínicas, São Paulo).

Os objetivos do tratamento, são a restauração do peso dentro da faixa de normalidade para a idade, sexo e altura, o reequilíbrio emocional, a reeducação alimentar que envolvem conseqüentemente o trabalho do nutricionista, do médico psiquiatra, do terapeuta familiar e do psicoterapeuta.

É importante ressaltar que a cooperação dos familiares é essencial ao sucesso do tratamento. Para isso, é preciso compreender que trata-se de uma doença e não de uma nova mania, um estilo de vida ou que a melhora depende apenas da vontade do paciente. Deve-se procurar o mais rápido possível a ajuda de especialistas em Transtornos Alimentares, seguir as orientações nutricionais e ajudar o jovem ou adulto a entender que sua recusa em tratar-se é um dos sintomas da doença.

Por Mariana M. Fontana às 12h23

29/03/2010

Como ler os rótulos de alimentos

Como ler os rótulos dos alimentos:

Verifique o prazo de validade e o estado das embalagens. Se a embalagem estiver danificada , não a adquira. O Prazo de Validade pode ser indicado de 2 formas: Consumir até (dia e mês): para produtos de fácil deterioração, como iogurtes ou queijo fresco; consumir de preferência antes de ou do fim de (dia e mês): para todos os alimentos. Quando a duração é superior a 18 meses, basta a indicação do ano.

Caso as embalagens de produtos congelados estejam úmidas ou apresentem cristais de gelo no interior, rejeite-as. Esta situação indicia que os produtos sofreram descongelação e que a rede de frio não foi mantida constante.

Respeite rigorosamente as condições de conservação e o modo de emprego ou utilização dos alimentos que dão esta indicação.

Leia cuidadosamente a informação nutricional do rótulo. Tenha sempre atenção à quantidade dos lipídios (ou gorduras). Dê preferência aos produtos com baixo teor em lipídios, sobretudo os saturados e colesterol.

Verifique a quantidade de sal (sódio). Para reduzir o seu consumo é importante não só diminuir a ingestão de produtos ricos neste elemento, mas também a quantidade de sal utilizada na preparação e confecção dos alimentos.

Opte pelos produtos com o maior conteúdo de fibras alimentares. Privilegie os alimentos que tenham carboidratos com menos quantidade de açúcares.

Por Patrícia Oliveira às 00h41

Ir para UOL Ciência e Saúde

Sobre os autores

Ana Carolina Garcia

Graduação em Nutrição - USP, especialista em Nutrição Aplicada ao Exercício Físico pela Escola de EEFE - USP e especialista em Nutrição Humana Aplicada e Terapia Nutricional pelo IMeN. Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Antonio Herbert Lancha Jr.

Graduação em Educação Física – USP Especialização em Fisiologia do Exercício – UNESP Mestrado e Doutorado em Nutrição Experimental – USP Pós- Doutorado em Medicina Interna – Washington University Professor Titular de Nutrição Aplicada à Atividade Física – USP Coordenador do Grupo de Nutrição do Vita Diretor da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Camila Freitas

Graduação em Nutrição - USP

Pós-Graduação em Gastronomia

Responsável pela área de nutrição das academias Reebok (SP)

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Carla di Pierro

Graduação em Psicologia - PUC SP

Especialização em Psicologia do Esporte - Instituto Sedes Sapientiae

Especialização em Clínica Analítico Comportamental - Núcleo Paradigma

Aprimoramento em Terapia Comportamental Cognitiva - Amban HCFMUSP

Psicóloga da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Desire F. Coelho

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Esporte - USP

Mestrado em Educação Física - USP

Doutoranda pelo Instituto de Ciências Biomédicas - USP

Aprimorando em Transtorno Alimentar pelo AMBULIM HC-FMUSP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luciana O. P. Lancha

Graduação em Nutrição e Esporte – USP Mestrado em Bioquímica – UNICAMP Doutorado em Ciências Biomédicas - USP Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Luiz Augusto Riani Costa

Graduação em Medicina – UNICAMP

Pós-graduação em Medicina Esportiva e Fisiologia do Exercício – USP

Doutorando em Fisiopatologia – EEFE/HCFMUSP

Diretor Clínico do setor de Cardiologia dos Laboratórios

Diagnósticos da América (DASA)

Fisiologista do Vita

Médico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Marco D. Leme

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo

Graduação em Eng. de Alimentos - Instituto Mauá de Tecnologia

Nutricionista do Grupo de DOR - IOT HCFMUSP e da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Patrícia Campos-Ferraz

Graduação em Nutrição – USP

Mestrado em Ciências dos Alimentos – USP

Doutorado em Biologia Funcional e Molecular pela UNICAMP

Nutricionista da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida


Renata C. Sardinha

Graduação em Nutrição - Centro Universitário São Camilo. Nutricionista do Bio Menu Congelados Saudáveis


Rodrigo Ferraz

Graduação em Educação Física - USP

Especialização em Treinamento Desportivo - UNIFESP/EPM

Especialista em Prevenção de Lesão e Treinamento em Pacientes Oncológicos

Preparador Físico da Nutriaid Consultoria em Qualidade de Vida